learn

Carlos Fukamizu: Quando a empresa é gerida por um método ao invés de um indivíduo

Verslo Zinios da Lituânia entrevista Carlos Fukamizu – outubro de 2012

Carlos Fukamizu: Quando a empresa é gerida por um método ao invés de um indivíduo

Estratégia: A produtividade pode aumentar em até 350% se os processos de trabalho são bem organizados

Produção maior em menor tempo – o método de produção “Lean” é famoso por esta filosofia de gestão. Já se tornou moda implementar este método na Lituânia, mas deve se tornar um padrão para a obtenção de benefícios dos investimentos.

Carlos Fukamizu, um membro da associação Honsha que une antigos especialistas e
gerentes da Toyota, especialista no sistema Lean, declara: “Um cliente não deve pagar pelos inconvenientes e perdas da produção. O cliente é um Deus, por isso, às vezes é necessário cuidar dele mais do que o habitual. O dever da empresa é cuidar disso”. A visita de Carlos à Lituânia foi para a parceria entre Honsha e “Lean.lt”, bem como as necessidades das empresas da Lituânia para aprender mais sobre este método.

Depois de mais de 20 anos de experiência de lean na empresa Toyota, Mr. Fukamizu aponta que o método lean é mais do que apenas uma filosofia. O ex-engenheiro da Toyota diz: “Muitas empresas simplesmente ignoram o método “Lean” porque não o entendem. No entanto, na verdade, ele deveria ser o modo de vida e diretrizes para todos, do gerente até o trabalhador da linha de frente. Ler um livro ou assistir um longo seminário de 80 horas não é suficiente. Os funcionários devem ser treinados em uma base contínua, a fim de detectar as chances de melhoria e eliminar as perdas na cadeia de produção. Este método deveria ser a raiz de uma planta, a partir da qual
a planta iria crescer”.

Ele pode ser usado em todos os lugares e por qualquer um.

Uma das características “Lean” é a mudança no modo de pensar. Portanto, a seguinte regra é aplicada nas divisões da Toyota: “Eu sempre penso em como fazer o meu trabalho melhor”.

O especialista em lean diz: “Aos poucos todos os funcionários se tornam os seus próprios treinadores. Os funcionários da Toyota pensam não só na melhoria da sua eficiência individual, mas também sobre os problemas de produção, qualidade, segurança e administração. Se um funcionário executa seu trabalho em 5 segundos menos, é um bom resultado, mas se toda a equipe consegue esse feito, os resultados
são muito melhores”. Se esta filosofia é implementada, a empresa é gerida por uma
estratégia, em vez de um indivíduo”.

“Lean” é um sistema que inclui diferentes métodos e ferramentas como o 5S (gestão do local de trabalho visual), Kaizen (melhoria contínua), operações padronizadas, SMED (redução do tempo de set up), TPM (manutenção produtiva total), Kanban (sistema de agendamento do estoque), VSM (mapeamento do fluxo de valor), A3 (planejamento), Hoshin Kanri (planejamento estratégico/gestão estratégica). Sr. Fukamizu aponta: “Por exemplo, usando a metodologia SMED, a Toyota reduziu o tempo de set up de 3 horas para 7 minutos. Tempo e recursos são desperdiçados
tanto por grandes quanto por pequenas empresas, de modo que o tamanho da empresa não desempenha um papel importante.
Os métodos Lean também podem ser usados para gerenciar sua vida pessoal. Você apenas deve usar o seu cérebro”.

É um padrão ao invés de uma moda.

Vidas Petraitis, o gerente de “Lean.lt”, diz que o uso eficiente do sistema começa pelo
estabelecimento dos pontos fracos do processo. Por exemplo, alguém anda por aí em vão e repete as mesmas tarefas. Se tal atividade não acrescenta valor, a metodologia Lean pode ser chamada para assistência.

Sr. Petraitis explica: “Também é possível martelar o prego na tábua com um tijolo, mas tijolos geralmente são utilizados para construção. O instrumento mais útil deve ser escolhido para cada caso. De acordo com esta filosofia, sempre devemos ter como alvo obter melhores resultados e resolver problemas emergentes”.

Segundo o Sr. Petraitis, a maioria das empresas da Lituânia considera este método como uma moda, enquanto os países ocidentais o aplicam como um padrão. No entanto, as empresas lituanas também desenvolvem suas atitudes, elas estão interessadas e tentam aplicar o sistema por conta própria ou enviam consultores para assistência.

Comentário:
Alvydas Tamosiunas, coordenador de SPS, UAB “Schmitz Cargobull Baltic”

Estamos implantando o sistema, com início no final de 2005, e os resultados já são evidentes.
A produtividade da linha de montagem aumentou em 350%. Para montar um trator, anteriormente eram necessários 10 trabalhadores; agora, apenas 4 pessoas estão envolvidas no processo. Isto foi conquistado apenas graças à uma boa organização do trabalho, sem investimentos ou compra de novos equipamentos. Nosso pensamento também
mudou com a implementação deste método. Anteriormente, nós pensávamos que o empregado deveria ser responsabilizado se os resultados do trabalho fossem ruins. No entanto, agora nós não culpamos ninguém, preferimos esclarecer as razões da falha e tentar detectar os erros. As pessoas sentem que são mais valiosas, surgiu o desejo
por desafios.

Quando recebíamos uma grande encomenda, há 6 anos, todo mundo ficava preocupado e ansioso com o sucesso da produção, no entanto, agora qualquer novo desafio inspira alegria.

Se você quer usar o método “lean”, copiá-lo não é o suficiente. A estagnação vai submergir ao receber o conhecimento, mas nada irá ocorrer. Quando começamos a pensar sobre o que estamos fazendo indevidamente e o que deve ser mudado, entendemos que isso é muito individual. Além disso, é um processo contínuo, sem fim. Um conselho simples para as empresas que não usam esse sistema é: depende muito da filosofia do gestor e da empresa. Você pode começar a ensinar e impulsionar os funcionários, mas as coisas só começarão a mudar quando a gestão for afetada profundamente por esta metodologia. Além disso, após os primeiros fracassos você não deve se decepcionar e culpar o sistema. Você deve tentar novamente; os resultados reais aparecem apenas após 3-4 anos de trabalho obstinado.

Mais informações:
http://laikrastis.vz.lt/index.php?act=mprasa&sub=article&id=55037#ixzz2ADd0YLhb