O que dificulta a implementação na Lituânia do sistema que ganhou notoriedade nas fábricas da Toyota?

O que dificulta a implementação na Lituânia do sistema que ganhou notoriedade nas fábricas da Toyota?

Familiarizado com o sistema de gestão Lean (mais conhecido como o método Lean) desde os 17 anos de idade, Sammy Obara, diretor-gerente do Honsha, visita constantemente a Lituânia e ajuda as empresas locais a implementar o famoso sistema de gestão desenvolvido pela Toyota. No entanto, o especialista concorda que a cultura empresarial na Lituânia ainda é um problema ao tentar implementar este método. delfi

O método Lean em fábricas se originou no Japão e era conhecido como Sistema de Gestão da Toyota. Foi este fabricante de carros que conseguiu melhorar a sua gestão do processo de produção através do desenvolvimento do seu próprio sistema de gestão. As empresas lituanas também ficaram interessadas em adotá-lo. No entanto, é possível que um método de gestão de empresa japonesa orientado para baixos custos e alta produtividade seja facilmente implementado no ambiente de negócios lituano?

Obara, que agora está prestando consultoria para empresas lituanas, tornou-se familiarizado com o sistema Lean quando era adolescente. O jovem conquistou um cargo de trainee e foi enviado para o Japão para aprender o Sistema de Gestão da Toyota. Mais tarde, foi enviado para uma nova fábrica da Toyota na Venezuela. Depois disso, ele trabalhou no Brasil.

O consultor, que reside atualmente nos EUA, fez sua primeira visita à Lituânia 4 anos atrás, na ocasião ele trabalhou com a empresa Mars Lietuva.

Obara disse que se surpreendeu com as pessoas de pensamento estilo europeu e com a boa educação.

Iniciante

O especialista do sistema Lean trabalhou com cerca de 10 empresas na Lituânia. Em um futuro próximo está previsto implementar o sistema Lean em cooperação com as instituições governamentais da Lituânia. S. Obara tem experiência na implementação do sistema da Toyota no setor público dos EUA, Timor Leste e Brasil.

Quando perguntado sobre o ambiente de negócios dos países da antiga União Soviética, S. Obara percebeu que os funcionários de empresas locais pareciam subalternos, evitando oposição e abstendo-se de expressar sua própria opinião; no entanto, o progresso neste campo já é visível na Lituânia. As empresas que seguem o método Lean estão particularmente determinadas a dar importância e a  implementar as propostas, ideias e soluções dos trabalhadores.

Embora o sistema Lean ajude empresas a cortar custos desnecessários e tornar suas atividades mais eficientes, ele ainda está sendo criticado devido à tensão provocada aos empregados, resultante da introdução de mudanças na empresa. S. Obara afirma que os funcionários nunca vão evitar a tensão, mas é importante escolher o tipo de tensão que será aplicada.

 sammy

© DELFI (Foto por T.Vinickas)

Naturalmente, as pessoas têm medo de perder seus empregos. Nós podemos falar sobre dois tipos de tensão aqui. O primeiro deles é a tensão que é sentida quando a empresa quer evitar perdas e atividades não-lucrativas. Isso requer uma enorme carga de trabalho, e a tensão é sentida de acordo. Outro tipo de tensão surge quando nada está sendo feito e é preferido permanecer na zona de conforto. Neste caso, as pessoas têm medo de perder seus empregos, porque a empresa está se tornando cada vez menos produtiva e mais cedo ou mais tarde, a redundância se torna uma ameaça real. Assim, é muito melhor conduzir a tensão para a melhoria do ambiente de trabalho e produtividade, sustenta S. Obara.

Este método (Lean – ed.) possibilita o crescimento sem a contratação de funcionários adicionais. Por exemplo, se uma empresa precisará de 20 por cento menos funcionários para a fabricação de um produto, ela pode direcionar essas pessoas para reforçar as vendas. Este sistema é bom quando as empresas querem crescer, mas não é adequado quando o único desejo é apenas para se livrar de funcionários, disse S. Obara. De acordo com o consultor, a liderança de sucesso e a inclusão dos funcionários no processo de melhoria são os pré-requisitos de uma boa implementação do sistema.

O ambiente cultural impede a aplicação do sistema na Lituânia

O professor associado da Universidade ISM de Gestão e Economia Dr. Vytautas Büda, cujo campo de interesse é a gestão lean, disse que o ambiente cultural se torna o principal obstáculo ao implementar o sistema Lean na Lituânia.

Com base no levantamento das dimensões culturais de Hofstede, a sociedade da Lituânia é patriarcal hierárquica. Isto significa que os nossos gestores não arriscam pedindo a opinião dos subordinados, os últimos aguardam ordens de cima e evitam expressar insatisfação, enquanto os gerentes aceitam as propostas para o desenvolvimento como uma crítica pessoal, ele comentou.

De acordo com o Professor Associado, a estrutura fundamental do sistema Lean não é só a cooperação horizontal, mas a vertical também. Em japonês é chamado de ” genchi gembutsu”; ou seja, se surge um problema nas máquinas/ferramentas na fábrica, ele deve ser resolvido ali mesmo.

As diferenças culturais das empresas podem ser ilustradas pelo número de sugestões de melhorias de um empregado. Nas fábricas do Japão esse número é de 62 sugestões por  funcionário, em fábricas japonesas localizadas nos EUA esse número é de 1,4, enquanto que na fábrica americana ou européia este número é de apenas 0,4.

Portanto, quando se deseja implementar o sistema de gestão Lean, os gestores devem se comprometer a transferir para os níveis subordinados não apenas uma parte da sua responsabilidade, mas também os poderes, e perceber que os problemas são melhores vistos por aqueles que trabalham diretamente com as máquinas/ferramentas, V. Büda explicou.

Quando lhe pediram para comentar sobre as falhas do sistema Lean, o professor associado da Universidade de Vilnius Faculdade de Economia, Dr. Dalius Serafinas, também ressaltou as diferenças culturais.

O sistema é originado no Japão. A cultura é diferente lá. É uma cultura estável e não é preciso convencer os gestores sobre a importância da eficácia, motivação dos funcionários, a apresentação das suas propostas e a capacidade dos gestores para serem líderes, declarou ele.

De acordo com o professor da universidade, a falta de um ambiente básico (relatórios, prestação de contas) dificulta a implementação do sistema Lean em empresas lituanas, com frequência.

Serafinas destacou que pouca atenção é dada aos funcionários em algumas empresas do país. O gerente é visto como alguém que sabe tudo e, assim, os processos não são discutidos com os funcionários.

Ugnė Karaliūnaitė,
www.DELFI.lt
08 de abril de 2014, 19:29hr

Fonte: http://www.delfi.lt/verslas/verslas/kas-trukdo-lietuvoje-diegti-toyota-gamykloms-sekme-atnesusia-sistema.d?id=64420426